03

jun

Repórter: Wânia Dias   |   Postado por: Wânia Dias às 12:10 hrs

UNEB e grupos locais de Serrinha desenvolvem ações para reduzir efeitos da crise no município

Comitê Popular Solidário de Serrinha distribuiu cestas básicas às famílias em situação de vulnerabilidade do município

Por Juliana Melo*

O Departamento de Educação (DEDC) do Campus XI da UNEB, em Serrinha, através do Comitê Popular Solidário do município, está desenvolvendo ações solidárias na região sisaleira, com o objetivo de aliviar os danos socioeconômicos e educacionais desse período de pandemia provocada pelo novo coronavírus.

O DEDC XI integra o Comitê Popular Solidário de Serrinha ao lado da Secretaria Municipal de Saúde/Vigilância Epidemiológica, Secretaria Municipal de Agricultura, Associação dos Pequenos Agricultores de Serrinha (Apaeb), Associação das Cooperativas de Apoio a Economia Familiar (Ascoob Sisal), Arco Sertão e a União Nacional das Cooperativas de Agricultura Familiar e Economia Solidária (Unicafes).

O campus de Serrinha participa do comitê também através da articulação de ações do seu projeto estruturante #FicaEmCasaUnebCampusXI,  coordenado pelo diretor da unidade acadêmica, Jean Santos.

No dia 27 de maio foram entregues cestas básicas às famílias carentes do município, ação mobilizada junto a comunidades do campo, com o intuito de mitigar a crise alimentar através de atos de solidariedade. A doação das cestas contou com o apoio do Banco do Brasil e do Movimento de Organização Comunitária (MOC) pelo projeto Proteja e Salve Vidas que atua em diversos municípios dos territórios do Semiárido baiano.

Organizações da sociedade civil, movimentos sociais, movimentos de mulheres, juventudes, sindicatos, igrejas, universidades e instituições de pesquisa, representantes de partidos políticos e do poder público municipal, territorial e estadual, se uniram para construir mecanismos de superação desta crise, e garantir parte dos direitos e segurança alimentar.

Importante ressaltar que entre os itens das cestas básicas que foram entregues às famílias do Semiárido Baiano, continham alimentos da agricultura familiar local, como forma de valorizar e movimentar a economia e agricultura da Região Sisaleira.

O ato simbólico de entrega das cestas foi o marco inicial da campanha a fim de garantir os cuidados iniciais que seguirão ao longo do período de pandemia.

*com edição da Ascom