Laboratório da Memória Cultural

PÓS-CRÍTICA

Infraestrutura:

Duas salas, uma sala com terminal para consultas, pesquisa e leitura; outra, com secretaria e arquivo deslizante para organizar documentos em vários formatos e suportes. Há um projeto de ampliação desse espaço, com mais uma sala para recepção de arquivos e doações, outra para exposição cenográfica de obras e biografias de personalidades científicas e culturais, um pequeno auditório, além de Laboratório de Restauração de material impresso raro. Equipamentos: mesa de higienização, para eliminar resíduos e poeiras dos documentos; banca e filtro dionizador, para purificar a água para tratamento aquoso de papéis; máquina de reinfibragem, para recompor estrutura física do documento; prensa vertical e guilhotina, para cortar papel e encadernação de documentos; freezer, para tratar documentos com fungos; papel gramatura 45, para restaurar livros e documentos. Estaremos recebendo nos próximos meses um Planetário Digital, apoiado pelo Edital Pro-Equimentos da Capes 24/2012: Scanner Planetário Copibook ONYX HD – scanners para documento plano, livros, obras raras & históricas. Colorido, resolução ótica real de 600 dpi para formato A2.

Definição, função e modos de funcionamento:

O Centro de Documentação Iraci Gama: um laboratório da memória cultural é um espaço de experimentação e de produção com ênfase na pesquisa de documentos da memória cultural, a exemplo de textos antigos, modernos e contemporâneos, fotos, vídeos, documentos orais, entre outros, concernentes aos projetos de pesquisa, ensino e extensão dos membros do corpo docente e discente, inclusive os egressos, do Programa de Pós-Graduação em Crítica Cultural e suas parcerias, convênios e cooperações científicas locais, regionais, nacionais e internacionais.

Através de documentos engendrados pelas pesquisas, bem como através do acolhimento de arquivos doados por personalidades científicas e culturais, cursos, oficinas, palestras, entre outros, voltados ao inventário, à recomposição física e crítico-textual de documentos, à disponibilização para a pesquisa, à exposição cenográfica de obras representativas, de modo a permitir uma reflexão sistemática sobre o direito à memória por parte de pessoas, tribos, comunidades e povos, despejados de sua língua, cultura, território e dos espaços de dramatização de si mesmo na relação entre formas de saber e de poder, fazendo emergir com isso novas formas de conhecer e de tratar os documentos de barbárie.

Como um lugar de pesquisa, exposição, debate e formação de um olhar para os documentos da memória cultural, o Centro de Documentação Iraci Gama: um laboratório da memória cultural, deve se constituir, também, como um espaço para o estágio do pesquisador em Crítica Cultural, no âmbito dos cursos de mestrado e doutorado, cujos projetos tiverem um foco na memória e constituição de acervos.

O Centro de Documentação Iraci Gama: um laboratório da memória cultural agregará em suas atividades projetos de pesquisa em nível de Iniciação Científica e de Pós-Graduação relacionados à memória e constituição de acervos e suas interfaces: fontes primárias, crítica textual, paleografia, história oral, sistemas de informação, higienização e tratamento de documentos raros, edição de textos.

Através da Atividade Curricular Obrigatória, Práticas em laboratório e seminários Interlinhas I, II, III, com carga horária de 30 horas, por semestre, e com esta ementa, “Práticas envolvendo exercícios audiovisuais, editoriais, documentos da memória cultural e de comunicação web, abertas pelas interfaces dos projetos de pesquisa, da iniciação científica ao doutorado, e sua potencialização para o impacto social e bibliográfico do programa de Crítica Cultural”, seleciona-se, no início de cada semestre, e para consolidar a matrícula, projetos e planos de trabalho, com suas interfaces para laboratório do Programa de Crítica Cultural.