11

nov

Repórter: Danilo Oliveira/Ascom   |   Postado por: Danilo Oliveira às 15:44 hrs

Parceria entre UNEB e centro capacita costureiras da Península de Itapagipe através do Design Participativo

Estudantes já realizaram capacitação e acompanham desenvolvimento de bens de moda e de decoração. Fotos: Divulgação

Em mais uma das ações de pesquisa-ação da UNEB, pesquisadores e estudantes do curso de Design do Campus I da universidade, em Salvador, têm estreitado laços com costureiras do bairro de Alagados, na Península de Itapagipe, na capital.

Costureiras têm produzido a partir do reaproveitamento de lona vinílica

A relação teve início após o Centro de Arte e Meio Ambiente (CAMA), uma organização da sociedade civil, conquistar financiamento através do edital do Instituto Cooperforte, com o projeto Costura Solidária e Sustentável.

A proposta visava a capacitação de 20 costureiras da península para a produção de artefatos a partir do reaproveitamento de lona vinílica, material utilizado para confecção de banners, faixas e lonas ortofônicas.

Após a vitória, o curso de Design foi convidado, através da professora Ana Beatriz Factum, para replicação da metodologia do Design Participativo no ensino da área. Assim, estabeleceu-se uma parceria institucional.

Chaveiros confeccionados pelas profissionais da Península de Itapagipe (Alagados)

A partir desse ponto, os estudantes Joale Santos, Simony Pereira, Vitoria Alves e Marcelo Henrique Almeida, orientados pela professora da UNEB Carina Santos Silveira, passaram a operacionalizar ações junto ao CAMA. A pesquisadora externa Analivia Lessa também integra a equipe de trabalho.

“A importância deste projeto se revela no inventar oportunidades, enquanto uma tática de sobrevivência encontrada nas fímbrias de uma sociedade de consumo. O que para ela é lixo, para a comunidade de Alagados é arma de inserção social, de resgate da autoestima e de solidariedade humana”, destaca Carina.

Trabalho e aprendizados

Os estudantes realizam até duas visitas semanais à comunidade e desenvolvem atividades previstas em plano acordado anteriormente com a orientadora.

Equipe acompanha a produção das peças e o desenvolvimento de protótipos

Eles já promoveram diversas ações junto à comunidade, a exemplo da capacitação sobre estudo de materiais; do desenvolvimento de bens de moda (bolsa, aventais, acessórios) e de decoração (cachepô, fruteira, sapateira).

Também estão entre as atividades: aprender a costurar; acompanhar a produção, desenvolver protótipos, criar peças gráficas, atualizar as mídias digitais do centro e desenvolver oficinas para as costureiras.

“Para os alunos e alunas envolvidos este projeto fornece uma oportunidade de avaliação de suas próprias identidades e valores, contribuindo para o entendimento dos principais aspectos do design local, e direcionando sua atuação profissional para solucionar as questões urgentes do nosso país”, ressalta a professora Ana Beatriz, responsável pela articulação que levou à parceria.

Para garantia de material para o trabalho, o CAMA conta com lonas cedidas pela cooperativa Camapet. A parceria tem previsão de encerramento nos próximos meses, com garantia de participação dos estudantes durante seis meses de projeto.