12

set

Repórter: Danilo Oliveira/Ascom   |   Postado por: Danilo Oliveira às 16:43 hrs

V Enlaçando: Pesquisadores se unem para fortalecimento das áreas de gênero e sexualidade no país

Grupos e núcleos de pesquisa estiveram representados em fórum promovido pelo seminário. Fotos: Cindi Rios/Ascom

Pesquisadores de grupos e núcleos acadêmicos de diversas instituições de educação superior (IES) brasileiras puderam trocar experiências e discutir estratégias para consolidação de uma rede, visando qualificar a gestão e difusão dos conhecimentos sobre gênero e sexualidade no país.

Suely: “evento significa um ponto de existência e resistência a todos os preconceitos”

A reunião foi viabilizada pelo Fórum de Grupos de Pesquisa, atividade que integrou a programação do V Seminário Enlaçando Sexualidades. O evento foi promovido, entre 6 e 8 de setembro, no Fiesta Convention Center, em Salvador.

De acordo com a coordenadora da iniciativa e do grupo de pesquisa Enlace (UNEB), Suely Messeder, é essencial que pesquisadores, instituições e gestores sejam “enovelados” para materialização de alianças.

“Em tempos mais do que sombrios em que vivemos, pensar o Enlaçando é um flash de alegria. Tentamos positivar os saberes sobre a sexualidade, identificando como podemos fazer isso e quais repertórios podemos utilizar. Este evento significa um ponto de existência e resistência a todos os preconceitos”, destacou a pesquisadora.

Pela primeira vez no seminário, a coordenadora do Núcleo de Identidades de Gênero e Subjetividades (Nigs) da Universidade Federal de Santa Catarina (Ufsc), Miriam Grossi, salientou a necessidade de definição coletiva de uma pauta de lutas e reivindicações.

Miriam: “somos mais de 1.5 mil núcleos de pesquisa sobre mulher, gênero, e sexualidades”

“Nós somos hoje no Brasil mais de 1.5 mil núcleos de pesquisa sobre mulher, gênero, feminismo e sexualidades. Esse é um grande crescimento. Somos muitos e é urgente uma articulação política junto às agências de fomento e às políticas de financiamento”, ressaltou Miriam, comemorando a oportunidade de participar da edição que marca uma década da criação do seminário.

Espaço de resistência

Cordenadora do Centro de Estudos em Gênero, Raça/Etnia e Sexualidade (Cegres – Diadorim) da UNEB, Amélia Maraux destacou que o fórum consiste em um espaço de resistência.

“Esta é uma tentativa de nos encontrarmos, sabermos quantos somos e de definir estratégias de articulação em rede para resistir a essa política de desmanche da universidade pública e gratuita”, frisou Amélia.

Amélia: “estratégias de articulação em rede para resistir a essa política de desmanche”

Ainda de acordo com a pesquisadora, o Diadorim foi proponente de dois enlaces temáticos e foi representado por mais de 10 integrantes na programação do evento. “Estamos aqui para também ouvir e aprender, para que possamos fortalecer e ampliar a nossa capacidade de construção de projetos”, afirmou.

A professora Fátima Lima, membro do Núcleo de Estudos em Discursos e Sociedade (Nudes) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Ufrj), ressaltou que a iniciativa surgiu para consolidar a produção de conhecimento sobre os temas fora do eixo Sul-Sudeste.

“Essa é uma marca fundamental, decolonial e anticolonial frente a outros trabalhos desenvolvidos por programas de pós-graduação. Acredito que estamos em um momento de redesenhar e fazer valer outras epistemologias. O Enlaçando vem somar a esse conjunto de desejos”, avaliou a professora.

Múltiplos atores

Felipe: “primeiro grande evento cujo o tema foi a sexualidade no Nordeste do Brasil”

Coordenador do Grupo de Estudos Feministas em Política e Educação (Gira) da Ufba, Felipe Fernandes parabenizou a equipe organizadora do Enlaçando pelo pioneirismo ao criar e manter “o primeiro grande evento cujo o tema foi a sexualidade no campo das Ciências Humanas no Nordeste do Brasil”.

“Aqui não estamos reunindo apenas acadêmicos, mas também professores das redes públicas e representantes dos movimentos sociais. Assim, buscamos ultrapassar os muros da universidade. Temos que conhecer, para transformar essa sociedade em um lugar melhor para todos e todas”, destacou também o professor.

A programação do evento contou com mesas-redondas, minicursos, oficinas, enlaces temáticos, fóruns de grupos de pesquisas (jovem pesquisador, de extensão e da educação básica), lançamento de livros, mostra audiovisual e apresentação cultural.

A doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal de Minas Gerais (PPG-PSI), Paula Gonzaga, acompanhada pela pesquisadora Claudia Andrea Mayorga Borges, ministrou minicurso sobre escuta e acolhimento de mulheres que interromperam a gestação.

Paula: “politização e a formação para uma escuta que não seja degradante e punitiva”

“Propomos a politização e a formação das pessoas para uma escuta qualificada, que não seja degradante e punitiva. Buscamos oferecer uma discussão que não temos em nossas graduações, porque sabemos que a criminalização do aborto faz com que ele aconteça na clandestinidade, então, essas mulheres abortam sozinhas, sem informação e se expõem a mais riscos”, explicou Paula.

A diversidade temática e de representações na programação do evento motivou o interesse do estudante Breno Caldas, do Bacharelado Interdisciplinar em Humanidades da Ufba.

“Como o seminário é internacional, temos oportunidades de ouvir relatos e outras referências que não imaginamos. Ouvir depoimentos de outras realidades é muito importante para quem deseja pesquisar, porque nos possibilita uma visão mais ampla sobre o que está acontecendo”, avaliou o discente.

O V Enlaçando Sexualidades foi realizado pelo grupo de pesquisa Enlace, em parceria com o Grupo de Atuação em Defesa das Mulheres (GEDEM), o Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA), o Doutorado Multi-institucional e Multidisciplinar em Difusão do Conhecimento, oferecido pela UNEB e pela Ufba, e o Programa de Pós-Graduação em Crítica Cultural (Pós-Crítica) do Campus II da instituição estadual, em Alagoinhas.

Confira mais fotos do evento em nosso Flickr.

Deixe uma resposta

Captcha base64