05

ago

Autor: Núcleo de Jornalismo*   |   Postado por: Toni Vasconcelos às 09:06 hrs

PPG qualifica, consolida e amplia discussão sobre pós-graduação e pesquisa na UNEB

A pós-graduação e a pesquisa na UNEB, nos últimos anos, têm avançado devido à  formação de novos doutores e à expertise em fazer investigação, o que provoca a qualificação na busca por consolidação dos programas stricto sensu.

A Pró-Reitoria de Pesquisa e Ensino de Pós-Graduação (PPG) vem se empenhando na regulamentação e integração com outras pró-reitorias e na expansão de ações e atividades.

Segundo a PPG, o planejamento e visibilidade da área estão contribuindo para garantir a avaliação e o desempenho dos programas stricto sensu da universidade junto à Capes.

Atualmente, dos mais de 750 docentes com doutorado na UNEB, cerca de 240 professores atuam em programas de pós-graduação da instituição.

“Considero que é necessário difundir informações aos nossos docentes de como funcionam as áreas da Capes, como funcionam nossos programas e como é importante que doutores atuem na pós-graduação stricto sensu da universidade, como forma de mobilizar a ciência, tecnologia e inovação para nosso estado”, avalia a pró-reitora Tânia Hetkowski (PPG).

Para modificar esse cenário, a gestão tem investido em várias frentes, como discussões sobre Política de Pós-Graduação para a UNEB, institucionalização e normatização de processos, projeto PPG Itinerante nos campi em Salvador e no interior do estado, ampliação de programas para publicação, bolsistas, agentes de inovação e apoio aos programas existentes, além de eventos como o Workshop de Pós-Graduação e Encontro de Secretários dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu da UNEB, cuja última edição foi realizada em maio com o objetivo de reunir os coordenadores, pesquisadores e grupos de pesquisa para “dialogar sobre as fraquezas e fortalezas da pós-graduação da UNEB”, como explica a pró-reitora.

Veja os cursos de pós-graduação stricto sensu ofertados pela UNEB

Essas macroações aproximam a PPG dos programas, promovendo o diálogo entre professores, alunos e comunidade, bem como orientando sobre propriedade intelectual e política de inovação, preenchimento da Plataforma Sucupira, oficinas sobre Lattes, orientação sobre ética na pesquisa e preenchimento da Plataforma Brasil, sistema acadêmico, iniciação científica, grupos de pesquisa, avaliação quadrienal e Aplicativos de Propostas de Novos Cursos (APCN), entre outras atividades inerentes ao cotidiano da pós-graduação.

Regulamentar para avançar

A gestão universitária tem investido decididamente na institucionalização da pesquisa e da pós-graduação da UNEB, visando ampliar e qualificar as ações que envolvem a área.

Entre as mais recentes iniciativas, a pró-reitora Tânia destaca as várias resoluções apreciadas pelo Conselho Universitário (Consu) da UNEB, a exemplo da resolução para apresentação de propostas de novos cursos stricto sensu; da resolução para criação de cursos lato sensu; Programa de Incentivo a Professores Visitantes (ProVisit); do Programa de Agentes de Inovação (Pibati) e do reconhecimento de diplomas emitidos por instituições estrangeiras.

“Somos a primeira universidade do Brasil a cumprir as exigências do CNE (Conselho Nacional de Educação), expedidas em junho de 2016, no que se refere à regulamentação para reconhecimento de diplomas de instituições estrangeiras, em que tivemos o apoio do ex-conselheiro do CNE, professor doutor José Eustáquio Romão, fato que mobilizou outras universidades a nos procurar acerca de tal normatização”, informa a pró-reitora. 

Nessa mesma direção, foram aprovadas pelo Consu, em reunião no mês de julho, a proposta de regulamentação dos grupos de pesquisa; as orientações para credenciamento, descredenciamento e recredenciamento de docentes de programas stricto sensu e a criação do Comitê Institucional de Avaliação da Pós-Graduação da universidade.

“Também foi aprovado pelo Conselho Universitário o ProPublic, um programa de apoio a publicação em periódicos nacionais e internacionais, uma antiga demanda da área. Fizemos uma parceria com a Eduneb (Editora da UNEB), que irá atender aos pleitos dos docentes da pós-graduação”, conta a gestora.

Ações inovadoras

Outras ações inovadoras também estão na pauta da Pró-Reitoria de Pesquisa e Ensino de Pós-Graduação.

Por exemplo, o já iniciado programa Escola de Verão da UNEB, em parceria com outras pró-reitorias acadêmicas da instituição, e o Programa de Formação Integrada, recém-aprovado, que propõe a participação de estudantes de graduação como aluno especial em cursos de pós-graduação stricto sensu da universidade, também em parceria com Pró-Reitoria de Ensino de Graduação (Prograd). 

Para ampliar a divulgação do trabalho da PPG e sua integração com as demais áreas da universidade, a gestão vem promovendo diversas iniciativas, como o Encontro Integrado de Ensino, Pesquisa e Extensão, cuja primeira edição ocorreu em outubro do ano passado, dialogando com a comunidade acadêmica dos 24 campi e, para este ano, já está confirmado o segundo encontro, em parceria com as pró-reitorias de Ações Afirmativas (Proaf), de Extensão (Proex) e a Prograd, com apoio dos diretores de departamento, Núcleos de Pesquisa e Extensão (Nupes), coordenadores de pós-graduação, gerências de pesquisa e pós-graduação, e a participação da comunidade acadêmica.

Em atuação conjunta com a Proex, a PPG está fortalecendo as relações da gestão com os Nupes, que funcionam nos diversos departamentos da universidade.

“Nosso esforço tem sido tanto no sentido de consolidar o que a UNEB já conquistou na área, assim como para expandir as ações nos vários campi”, diz Tânia.

Em relação aos campi no interior do estado, a gestão vem ampliando a interlocução com os departamentos, o que é essencial para que a universidade avance na pesquisa e na pós-graduação. “Temos muitos grupos de pesquisa, por exemplo, mas ainda dispersos. Precisamos integrar mais, para fortalecer e qualificar esse trabalho tão importante que a comunidade de pesquisadores da UNEB realiza, incluindo os docentes, discentes e técnicos”, reforça a gestora.

Em mapeamento recente realizado pela PPG, foram identificadas quatro grandes áreas da pesquisa e pós-graduação na universidade com forte potencial: Educação e Humanidades, já consolidada na UNEB; Agrárias, voltadas ao desenvolvimento sustentável das comunidades; Saúde, necessária aos cuidados da vida digna da população; e Tecnologia, como demonstração de criatividade, inovação e pesquisa no âmbito da diversidade do estado.

Sistematização da pesquisa

Entre as prioridades da PPG para este ano, é urgente a sistematização dos projetos dos pesquisadores que desenvolvem pesquisa tanto no âmbito da UNEB como em parceria com instituições nacionais ou estrangeiras.

“Estamos construindo um portal e um sistema (Pandora) para organizar e facilitar esse trabalho. Temos muitos pesquisadores que realizam pesquisas de interesse e repercussão, mas são desconhecidos em nossas dinâmicas e programas de pós-graduação. A UNEB precisa investir no diálogo, na publicização e institucionalização dessas pesquisas, para posterior divulgação, buscando ampliar parcerias, criar novos programas e ampliar os processos de internacionalização”, avalia a pró-reitora.

Também este ano, a Agência de Inovação da UNEB, vinculada à PPG, aumentou seu quadro de pesquisadores, possibilitando ampliar a atuação da agência, aproximando-a das necessidades da UNEB, dos seus pesquisadores, estudantes, professores e técnicos, pois “a pesquisa na UNEB existe intensamente, mas precisa ser mostrada e demonstrada, e a agência pode articular e dinamizar interfaces entre os campi”, considera Tânia.

“A meta da Agência de Inovação é se consolidar, nos próximos anos, como órgão de fomento da UNEB, para que a instituição seja referência no estado como uma universidade empreendedora”, antecipa a gestora.

No âmbito da iniciação científica, a gestão tem incentivado a continuidade dessa cultura na universidade, estendendo as possiblidades de se fazer pesquisa ou formar grupos de pesquisa, incluindo professores da rede básica e de outras instâncias, pessoas de comunidades, entre outros grupos, como bolsistas ou mesmo voluntários.

“A PPG tem muito a efetivar, mas enfatiza podemos ser uma universidade grande e forte se trabalharmos coletivamente pela melhoria da formação stricto sensu, em especial, nas comunidades, mas para isso precisamos dialogar, planejar e prospectar o que desejamos ser futuramente”, finaliza a pró-reitora.

Outras reportagens desta série:

Série Ação Universitária – PROGRAD

Série Ação Universitária – PROEX

* Com edição da PPG. Imagem (home): Anderson Freire/Ascom

Deixe uma resposta

Captcha base64