Estrutura Curricular

MPEJA

Até o final do curso o aluno mestrando deverá ter cursado duas disciplinas obrigatórias e duas optativas. A disciplina Teorias, Métodos e Discursos da História é obrigatória para os mestrandos das duas linhas. Outra disciplina obrigatória deverá ser cursada na Linha de Pesquisa na qual pertence o mestrando.Duas outras optativas podem ser escolhidas no elenco de disciplinas oferecidas pela linha de pesquisa ou em outro Programa de Pós-graduação em nível de Mestrado, com indicação e anuência do orientador.

Núcleo Comum

Disciplina
FUNDAMENTOS FILOSÓFICOS E HISTÓRICOS NA EJA
Ementa
Nível: Mestrado Profissional Obrigatória: Sim Área(s) de Concentração: Educação, Trabalho e Meio Ambiente Formação de Professores e Políticas Públicas Gestão Educacional e Tecnologias da Comunicação Carga Horária:60 Creditos:4 Ementa: O saber filosófico permeando a prática educativa. O histórico da expansão da Educação Básica no Brasil. Contexto contemporâneo e as políticas para formação de docentes: as especificidades da EJA, as recomendações das Organizações Internacionais, a complexidade e os desafios do mundo do trabalho, a histórica concepção de cidadania. Bibliografia: ALMEIDA, V. S. Educação em Hannah Arendt: entre o mundo deserto e o amor ao mundo. São Paulo: Cortez, 2011. APPLE, M. W. Ideologia e currículo. Trad. Vinícius Figueira. 3ª. ed.Porto Alegre: Artmed, 2006. ARENDT, H. A condição humana. Tradução: Roberto Raposo. 10. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária. 2001. ASSMANN, H. Reencantar a educação: rumo à sociedade aprendente. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004. ______Competência e sensibilidade solidária: educar para a esperança. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000. BARCELOS, V. Formação de professores para educação de jovens e adultos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2006. ______Educação de Jovens e Adultos: currículo e práticas pedagógicas. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010. ______Educação ambiental, infância e imaginação – uma contribuição ecologista à formação de professores (as). In: QUAESTIO: Revista de estudos da educação. V. 1, nº. 1 (maio de 1999) – Sorocaba, São Paulo: Uniso, 1999. ______Educação Ambiental: sobre princípios, metodologias e atitudes. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008. (Coleção Educação Ambiental). BOFF, L. A águia e a galinha: uma metáfora da condição humana. 45. ed. - Petrópolis, RJ: Vozes, 2007. BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica, Parâmetros curriculares nacionais: ensino médio: base legal. Brasília, 1999. 4 v. BAUMANN, Z. Modernidade liquida. Trad: Plínio Dentizen. R. de Janeiro: J. Zahar, 2001. NETO, A. C. e et al. Pontos e contrapontos da política educacional: uma leitura contextualizada de iniciativas governamentais. Brasília: Liber Livro Editora, 2007.
Carga Horária
60h
Crédito
04
Disciplina
FUNDAMENTOS LEGAIS E POLÍTICAS PÚBLICAS DE EJA NO BRASIL,
Ementa
Nível: Mestrado Profissional Obrigatória: Sim Área(s) de Concentração: Educação, Trabalho e Meio Ambiente Formação de Professores e Políticas Públicas Gestão Educacional e Tecnologias da Comunicação Carga Horária: 60 Creditos:4 Ementa: Estudo das bases legais da educação de adultos no Brasil mediante o resgate histórico das principais ações, da legislação e políticas públicas na área de EJA. O legado político de Paulo Freire para a educação de adultos. Principais campanhas, movimentos e conferências sobre EJA no Brasil e no mundo. Programas mais significativos em EJA no Brasil e na Bahia. Experiências recentes de EJA no contexto nordestino. Bibliografia: APPLE, Michael; NÓVOA, Antonio. (orgs.). Paulo Freire: política e pedagogia. Porto: Porto Editora, 1998. ARROYO, Miguel. Ofício de Mestre: imagens e autoimagens.Petropólis, Vozes, 2002. BRASIL. L ei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional n. 9394/96. Brasília, 20 dez. 1996. BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Documento Nacional Preparatório à VI Conferência Internacional de Educação de Adultos (CONFITEA). Brasília: MEC, Goiânia: FUNAPE/UFG, 2009. BRUNEL, Carmen. Jovens cada vez mais jovens na educação de jovens e adultos. Porto Alegre: Editora Mediação, 2004. CANARIO, Rui. Educação de Adultos: um campo e uma problemática. Lisboa: EDUCA/Universidade de Lisboa, 1999. DANTAS, Tânia. Práticas de formação em EJA e narrativas autobiográficas de professores e de adultos. In: Educação e Contemporaneidade. Revista da FAEEBA. v. 17. n.29. jan/jun 2008. p. 119-136. DANTAS, Tânia. Professores de adultos: formação, narrativa autobiográfica e identidade profissional. Tese de Doutorado. Barcelona: Universidade Autônoma de Barcelona, 2009. DEMO, Pedro. A Nova LDB: ranços e avanços. Campinas: Papirus, 1997. DI PIERRO. Maria Clara. Notas sobre a redefinição da identidade e das políticas públicas de educação de jovens e adultos no Brasil. In: Educação e Sociedade, v.26, nº 92, p.1115-1139, out. 2005. FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. São Paulo: Paz e Terra, 1988. FREIRE, Paulo. Pedagogia da Esperança. São Paulo: Paz e Terra, 2001. FULLAN, Michael: HARGREAVES, Andy. A Escola como Organização Aprendente: buscando uma educação de qualidade. Porto Alegre: Artemed, 2000. GADOTTI, Moacir; ROMÃO, José, E. (orgs). Educação de Jovens e Adultos: teoria, prática e proposta. São Paulo: Cortez Editora, 2000. GOERGEN, Pedro; SAVIANI, Dermeval (orgs). Formação de Professores: a experiência internacional sobre o olhar brasileiro. São Paulo: Autores Associados, 1998. GUSTSACK, Felipe: VIEGAS, Moacir: BARCELOS, Valdo (orgs.).Educação de Jovens e Adultos: saberes e fazeres. SEDUNISC. HADDAD, S.(Coord.). Educação de jovens e adultos no Brasil (1986-1998). Brasília: MEC/INEP/COMPED, 2002. (Série Estado do Conhecimento, n.8). Página 6/33 - 23/05/2012 17:34:53 IMBERNÓN, Francesc.(Coord.). A Educação no século XXI: os desafios do futuro imediato. Porto Alegre: Artemed, 2000.
Carga Horária
60h
Crédito
04
Disciplina
CONCEPÇÕES EDUCACIONAIS E CURRÍCULOS EM EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS
Ementa
Nível: Mestrado Profissional Obrigatória: Sim Área(s) de Concentração: Educação, Trabalho e Meio Ambiente, Formação de Professores e Políticas Públicas, Gestão Educacional e Tecnologias da Comunicação Carga Horária: 60 Creditos:4 Ementa: A contextualização da educação na esfera pública no processo de construção do currículo para a Educação de Jovens e adultos. Pedagogia e ideologia, o currículo como controle social. O currículo oculto, a reprodução cultural e as relações hegemônicas no contexto da globalização. Currículo e afetividade na reconstrução e construção das relações no cotidiano das práticas pedagógicas em EJA Bibliografia: E, M. W. Ideologia e currículo. Trad. Vinícius Figueira. 3ª. ed.Porto Alegre: Artmed, 2006. BARCELOS, V. Formação de professores para educação de jovens e adultos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2006. ______Educação de Jovens e Adultos: currículo e práticas pedagógicas. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010. BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica, Parâmetros curriculares nacionais: ensino médio: base legal. Brasília, 1999. 4 v. . FAZENDA, I.C. Práticas interdisciplinares na escola. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2002. FERREIRA, A, L. Havia uma sociologia no meio da escola, Natal: EDUFRN, 2004. _____ O cotidiano escolar e as práticas docentes (Org.). Natal: EDUFRN, 2000. _____ Entre flores e muros: narrativa e vivências escolares (Org.). Porto Alegre: Editora Sulina, 2006. GALLO, S. Transversalidade e educação: pensando uma educação não – disciplinar. In: ALVES, N. GARCIA, R. L. (Orgs.). O sentido da escola. 3 ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. GOODSON, I. F. As políticas de currículo e de escolarização: abordagens históricas. Tradução: Vera Joscelyne. Petrópolis: RJ: Vozes, 2008. ______Currículo: teoria e história. Tradução: Atílio Brunetta. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009. MACEDO, Roberto Sidnei. A Etnopesquisa Crítica e Multirreferencial nas Ciências Humanas. Salvador, EDUFBA, 2000. MACEDO, R. S.; GALEFFI, D.; PIMENTEL, Á. Um rigor outro: sobre a questão da qualidade na pesquisa qualitativa. Salvador-BA: Edufba, 2009. PADILHA, P. R. Currículo intertranscultural: novos itinerários para a educação. São Paulo: Cortez: Instituto Paulo Freire, 2004. 9 Biblioteca Freiriana; v.9). SACRISTÁN, J. G. O currículo: uma reflexão sobre a prática. Trad. Ernani F. da F. Rosa. 3ª. ed. Porto Alegre:ArtMed, 2000. TARDIF, M; LESSARD, C. O ofício de professor: história perspectivas e desafios internacionais. Trad. Lucy Magalhães. 2ª ed. Petrópólis, RJ:Vozes, 2008.
Carga Horária
60h
Crédito
04
Disciplina
CIDADANIA, INCLUSÃO ÉTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS
Ementa
Nível: Mestrado Profissional Obrigatória: Sim Área(s) de Concentração: Educação, Trabalho e Meio Ambiente, Formação de Professores e Políticas Públicas, Gestão Educacional e Tecnologias da Comunicação Carga Horária:45 Creditos:3 Ementa: Princípios específicos e constitucionais que regem o Direito à Educação, o pleno e ilimitado exercício da Cidadania e os mecanismos de Inclusão Social, como forma de efetivação dos princípios elementares do Estado Democrático de Direito e tutela ao princípio fundamento do ordenamento jurídico que é a dignidade da pessoa humana. Políticas públicas de inclusão das minorais, medidas legais e políticas adotadas para melhoria do processo ensino-aprendizagem. Análise das mazelas enfrentadas pela Educação, dentre elas, as violências na escola, a “exclusão”, a evasão escolar, etc. Ética, educação e contemporaneidade. Bibliografia: ALEXY, Robert. Teoria de los derechos fundamentales. Madrid: Centro de Estúdios Políticos y Constitucionales, 2001. ALKIMIN, Maria Aparecida. Bullying: visão interdisciplinar. Campinas: Alínea, 2011. ARENDT, Hannah. A condição humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1983. ÁVILA, Humberto B. Teoria dos princípios. 6.ed. São Paulo: Malheiros, 2006. BOBBIO, Norberto. A era dos direitos. Rio de Janeiro: Campus, 1992. Página 7/33 - 23/05/2012 17:34:53 COMPARATO, Fábio Konder. A afirmação histórica dos direitos humanos. 2.ed. São Paulo: Saraiva, 2001. CURY, Munir; GARRIDO DE PAULA; Paulo Afonso e MARÇURA, Jurandir Norberto. Estatuto da Criança e do Adolescente Anotado. 5a. edição. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2009. ____________________(Coordenador).Estatuto da Criança e do Adolescente comentado. 11a. edição, atualizada de acordo com a Lei 12.010, de 3.8.2009. São Paulo: Malheiros, 2010. ELIAS, Roberto João. Direitos Fundamentais da Criança e do Adolescente.São Paulo: Saraiva: 2008. GHIRARI, José Garcez; VANZELLA, Rafael Domingos Faiardo (orgs). Ensino Jurídico Participativo-Construção de Programas. Experiêcias Didáticas. São Paulo: Saraiva, 2009.-(Série metodologia e ensino. Direito, desenvolvimento e Justiça). GOMES, Maria Tereza Ville. Direito humano à educação e políticas públicas. Curitiba: Juruá, 2010. Oliveira, Manfredo A. Correntes Fundamentais da Ética Contemporânea. Petrópolis, Vozes, 2ª. Edição. PEREIRA, Tânia da Silva Pereira Guilherme de; OLIVEIRA, Guilherme de (coords.). O Cuidado como Valor Jurídico. Belo Horizonte: Del Rey, 2007. SILVA, Aida Maria Monteiro;TAVARES, Celma (Orgs.). Políticas e Fundamentos da Educação em Direitos Humanos. São Paulo: Cortez, 2010. SILVÉRIO, Valter Roberto;MOEHLECKE, Sabrina (orgs). Ações Afirmativas nas Políticas Educacionais-o contexto Pós-Durban. São Carlos: EduFSCar, 2009.
Carga Horária
45h
Crédito
03

Núcleo Específico

Disciplina
DESENVOLVIMENTO COGNITIVO E AQUISIÇÃO DA LEITURA E DA ESCRITA NA EJA (ÁREA 1)
Ementa
Nível: Mestrado Profissional Obrigatória: Sim Área(s) de Concentração: Educação, Trabalho e Meio Ambiente Carga Horária: 60 Créditos: 4 Ementa: Estudo do desenvolvimento cognitivo e da aquisição da leitura e da escrita na perspectiva da neurociência. Bases biológicas da aprendizagem. Ensinar e de aprender na EJA sob uma perspectiva da neurociência, da relação cognição/aprendizagem da leitura e da escritura. Bibliografia: ANDERSON, J. R. Aprendizagem e memória, uma abordagem integrada. Rio de Janeiro: LTC, 2005. BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Proposta Curricular para a educação de jovens e adultos: segundo segmento do ensino fundamental: 5a a 8a série: introdução / Secretaria de Educação Fundamental, 2002. 148 p.: il : v. 1. CARVALHO, M. Primeiras letras: alfabetização de jovens e adultos em espaços populares. São Paulo: Ática, 2010. CHIELE, L. K. O modelo conexionista na interface da inteligência e do aprendizado da leitura. Letras de Hoje. v .33, nº. 2, p. 57-62. Porto Alegre: Edipucrs, 1998. CIELO, Carla Aparecida. A flexibilidade do paradigma conexionista. Letras de Hoje, n. 112, 1998, Porto Alegre. P. 43-49. CIELO, Carla Aparecida. Processamento cerebral e conexionismo. In: ROSSA, Carlos; ROSSA Adriana. Rumo à Psicolinguística Conexionista. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004. COSENZA, R. M.; GUERRA, L. B. Neurociência e educação: como o cérebro aprende. Porto Alegre: Artmed, 2011. MAIA, Héber (Org.). Neurociências e desenvolvimento cognitivo. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2011. (Neuroeducação; v.2). GABRIEL, Rosângela. A compreensão em leitura enquanto processo cognitivo. In: Signo. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2006. v. 31, n. especial. KOCH, I. G. V. Cognição e processamento textual. In: Revista da ANPOLL, 1996. n. 2, p. 35- 44. MACEDO, A. C. P.; FELTES, H. P. DE M.; FARIAS, E. M. P. Cognição e linguística: explorando territórios, mapeamentos e percursos. Caxias do Sul, RS: Educs; Porto Alegre: Edipucrs, 2008. MOLLICA, M. C.; LEAL, M. Letramento em EJA. São Paulo: Parábola Editorial, 2009. (Estratégias de ensino; 9). OLMI, A.; PERKOSKI, N. (Org.). Leitura e cognição: uma abordagem transdisciplinar. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2005. PINTO, A. P. (Org.). Tópicos em cognição e linguagem. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2006. POERSCH, José Marcelino. Contribuições do paradigma conexionista na obtenção do conhecimento linguístico. Letras de Hoje. v. 33 n. 2. Porto Alegre: EDIPUCRS, p. 35-62, 1998. Página 8/33 - 23/05/2012 17:34:53 ______. O paradigma simbólico é demasiadamente rígido para explicar determinados problemas de aquisição linguística. Letras de Hoje. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1998b. v.33, n.2. PLUNKETT, K. O conexionismo hoje. In: POERSCH, J. M. (Ed.). Psicolinguística, ciência e arte. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2000. ROSA, M. C. Introdução à (bio)linguística: linguagem e mente. São Paulo: Contexto, 2012. ROSSA, Carlos Ricardo. O paradigma conexionista. In: ROSSA, Carlos; ROSSA Adriana. Rumo à Psicolinguística Conexionista. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004.
Carga Horária
60h
Crédito
04
Disciplina
A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PESQUISADOR (ÁREA 2)
Ementa
Nível: Mestrado Profissional Obrigatória: Sim Área(s) de Concentração: Formação de Professores e Políticas Públicas Carga Horária: 60 Créditos: 4 Ementa: A formação do educador no Brasil: delineamentos sócio-históricos, legais e conceituais. Concepções, tendências e pesquisas sobre formação de professores. Formação inicial e permanente na perspectiva do desenvolvimento profissional docente. Saberes docentes e formação do professor como pesquisador. Professor como pesquisador diante dos desafios contemporâneos. Políticas públicas de educação/formação do professor de EJA. Bibliografia: ANDRÉ, Marli Eliza D. A. de - A pesquisa sobre formação de professores no Brasil – 1990-1998. In: Ensinar e aprender: sujeitos, saberes e pesquisa. Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino (ENDIPE). Rio de Janeiro: DP&A, 2000, pp. 83/99. ARROYO, Miguel. Ofício de mestre: imagens e auto-imagens. 6. ed. Petrópolis: Vozes, 2002. BARBIER, René. A Pesquisa-Ação. Brasília: Liber Livro, 2007. P. 85 a 146. BARROSO, João. Os professores e os novos modos de regulação da escola pública: das mudanças do contexto de trabalho às mudanças da formação. In: BARBOSA, Raquel Lazzari Leite (Org.). Trajetórias e perspectivas de formação de educadores. São Paulo: Editora UNESP, 2004. P. 49-60. BOGDAN, Robert; BIKLEN, Sari. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto/Portugal: Porto, 1994. CATANI, Denice Barbara. Estudos de história da profissão docente. In, LOPES, Eliane marta Teixeira et. al. 500 anos de educação no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 2003, pp. 585/599. CHARLOT, Bernard. O professor na sociedade contemporânea: um trabalhador da contradição. In.: Revista da FAEEBA: Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 17, n. 30, jul/dez, pp. 17/31, 2008. CONTRERAS, José. As chaves para a autonomia dos professores. In, CONTRERAS, José, A autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002. P.191-275. DANTAS, TÂNIA. Formação Especializada em Educação de Jovens e Adultos e Identidade Profissional. In NUNES, Eduardo José. Saberes e patrimônio material e imaterial: uma abordagem intercultural. Salvador, EDUNEB, 2010, p.115-130. GATTI Bernardete A. Estudos quantitativos em educação. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.30, n.1, p. 11-30, jan./abr. 2004. GERALDI, Corinta et al. Cartografias do trabalho docente: professor(a)-pesquisador(a). 2. ed. São Paulo, SP: Mercado de Letras, ALB, 2001. p. 33-71. JOSSO, Marie-Christine. Experiências de vida e formação. Lisboa: EDUCA, 2002. KINCHELOE, Joe L. Pesquisa-ação, reforma educacional e pensamento do professor. In A formação do professor como compromisso político: mapeando o pós-moderno. Porto Alegre: ARTMED, 1997,pp. 179/197. LAVILLE, Christian; DIONNE, Jean. A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Porto Alegre: ArtMed, 1999. MACEDO, Roberto Sidnei. Compreender a Formação e a Formação pela Compreensão: para além das implificações. In: MACEDO, Roberto Sidnei. MARCELO GARCIA, Carlos. Estrutura conceptual da Formação de Professores. In, MARCELO GARCIA, Carlos. Formação de Professores: para uma mudança educativa. Porto: Porto Editora, 1999. pp. 17/68. Página 9/33 - 23/05/2012 17:34:53 NÓVOA, António. Professores: imagens do futuro presente. Lisboa: EDUCA, 2009.
Carga Horária
60h
Crédito
04
Disciplina
GESTÃO EDUCACIONAL EM EJA (ÁREA 3)
Ementa
Nível: Mestrado Profissional Obrigatória: Sim Área(s) de Concentração: Gestão Educacional e Tecnologias da Comunicação Carga Horária: 60 Créditos: 4 Ementa: A gestão educacional em EJA; contextualização histórica, econômica e sócio-cultural da gestão de EJA; trajetórias de formação e de escolarização de jovens e adultos na EJA; marcos legais na gestão de EJA: avanços, limites e perspectivas. Bibliografia: ARAÚJO, Márcia Suely de Oliveira. Gestão democrática na EJA: indícios de sua possibilidade na obra pedagogia da autonomia e nos documentos resultantes da V e VI CONFINTEA s. In: V ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM ALAGOAS – V EPEAL, 9, 2010, Maceió AL, Anais eletrônicos. Maceió AL, 2010. Disponível em: Acesso em: 29.11.2010. BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos, Parecer nº 11 de 10 de maio de 2000. ____Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos, Resolução do Conselho Nacional de Educação e da Câmara de Educação Básica nº 01 de 5 de julho de 2000. _______. Ministério da Educação. Decreto n. 5.154, de 23 de julho de 2004. Regulamenta o par. 2º do art. 36 e os arts 39 a 41 da Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. _______. Ministério da Educação. Decreto n. 5.840, de 13 de julho de 2006. Institui no âmbito federal o Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos-PROEJA. COELHO, Salete do Belem Ribas; LINHARES, Clarice. Gestão participativa no ambiente escolar. Disponível em: Acesso em: 18.11.2010. CONFINTEA V – Declaração de Hamburgo: Agenda para o futuro. Hamburgo/Alemanha: UNESCO, 1999. CONFINTEA VI – Marco de acción de Belém. Belém/Brasil: UNESCO, 2009 COSTA, Antônio Cláudio Moreira. Educação de Jovens e Adultos no Brasil: novos programas, velhos problemas. Disponível em: Acesso em: 18.11.2010. DI PIERRO, Maria Clara; JOIA; Orlando; RIBEIRO, Vera Masagão. Visões da Educação de Jovens e Adultos no Brasil. Cadernos Cedes, ano XXI, nº 55, novembro/2001. Disponível em: Acesso em: 18.11.2010. Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação de Jovens e Adultos. Disponível em: Acesso em: 18.11.2010. FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 17ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987. FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia. (Ano da Digitalização, 2002). Disponível em: . Acesso em 25 de abr. de 2010. GUTIERREZ , Gustavo Luis; CATANI, Afrânio Mendes. Participação e gestão escolar: conceitos e potencialidades. In: FERREIRA, Naura Síria Carapeto (Org.) Gestão democrática da educação: atuais tendências, novos desafios 6 ed. São Paulo: Cortez, 2008. HADDAD, Sérgio. Tendências Atuais da Educação de Jovens e Adultos no Brasil. In.: MACHADO, Maria Margarida. A trajetória da EJA na década de 90 – políticas públicas sendo substituídas por “solidariedade”. Disponível em: Acesso em: 18.11.2010.
Carga Horária
60h
Crédito
04
Disciplina
SEMINÁRIOS TEMÁTICOS (ÁREAS 1, 2 E 3)
Ementa
Nível: Mestrado Profissional Obrigatória: Sim Área(s) de Concentração: Educação, Trabalho e Meio Ambiente Formação de Professores e Políticas Públicas Gestão Educacional e Tecnologias da Comunicação Carga Horária: 45 Créditos: 3 Ementa: Atividade curricular permanente de reflexão, análise, discussão e produção de propostas pedagógicas, de caráter interdisciplinar, que busca articular teoria e prática. Busca aglutinar diferentes perspectivas de abordagem aos objetos de estudo da Educação de Jovens e Adultos enfatizando a natureza processual da construção de conhecimentos, saberes e sua contextualização sociocultural e histórica. Bibliografia: ANDRÉ, Marli D. A. Etnografia da prática escolar. São Paulo: Papirus, 1995. BRANDÃO, Carlos Rodrigues (org.). Pesquisa participante. São Paulo: Brasiliense, 1981. ________________. Repensando a pesquisa participante. São Paulo: Brasiliense, 1985. BOGDAN, Robert e BIKLEN, Sari. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Lisboa, Porto: Editora Porto, 1985. CHIZZOTTI, A. Pesquisa em ciências humanas e sociais. São Paulo: Cortez, 1991. CORTELLA, Mário Sérgio. A escola e o conhecimento: fundamentos epistemológicos e políticos. São Paulo: Cortez, 1999. COULON, Alain. Etnometodologia. Petrópolis: Vozes, 1995. DEMO, Pedro. Pesquisa como princípio científico e educativo. São Paulo: Cortez, 1999. ___________. Conhecimento moderno: sobre intervenção do conhecimento. Petrópolis: Vozes, 1997. FAZENDA, Ivani (Org.). A pesquisa em educação e as transformações do conhecimento. Campinas: Papirus, 1997. ______________. Novos enfoques da pesquisa educacional. São Paulo: Cortez, 1992. ______________. Metodologia da pesquisa educacional. São Paulo: Cortez, 1991. GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, Editora Atlas, 1993. GRESSLER, Lori Alice. Pesquisa educacional: importância, modelos, validade, variáveis, hipóteses, amostragem, instrumentos. São Paulo: Loyola, 1989. GOLDENBERG, Mírian. A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em ciências sociais. Rio de Janeiro: Record, 1997. KOCHE, J. C. Fundamentos de metodologia científica: teoria da ciência e prática. Petrópolis: Vozes, 1994. __________. Fundamentos de metodologia científica. São Paulo: Pioneira, 1989. Página 14/33 - 23/05/2012 17:34:53 LATORRE, Antonio, RINCÓN, Delio e ARNAL, Justo. Bases metodológicas de la investigación educativa. Barcelona: Hurtado Ediciones, 1996. LIBÂNEO, José Carlos. Pedagogia e pedagogos, para quê? São Paulo: Cortez, 1999. LUDKE, Menga e ANDRÉ, Marli. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. São Paulo, EPU, 2008. MACEDO, Roberto Sidnei. A Etnopesquisa Crítica e Multirreferencial nas Ciências Humanas. Salvador, EDUFBA, 2000. MAZZOTTI, Alda Judith Alves e GEWANDSNAJDER, Fernando. O método nas ciências naturais e sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa. São Paulo: Pioneira, 1998. MINAYO, Maria Cecília de Souza (Org). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 1994. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO. Referencial curricular nacional para a educação infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998 (v. I,II e III). _________________. Parâmetros curriculares nacionais. Brasília: MEC/SEF, 1997 (v.1, 8,9 e 10). MORAES, Maria Cândida. O paradigma educacional emergente. Campinas: Papirus, 1999. SOUZA, Elizeu Clementino de. “Apresentação de trabalhos científicos: estrutura e normatização”. In: Revista da FAEEBA-Educação e Família. Salvador: Uneb/Campus I, ano 8, n. 11, jan-jun, 1999: p. 209-235.
Carga Horária
45h
Crédito
03
Disciplina
PESQUISA ORIENTADA I (ÁREAS 1, 2 E 3)
Ementa
Nível: Mestrado Profissional Obrigatória: Sim Área(s) de Concentração: Educação, Trabalho e Meio Ambiente Formação de Professores e Políticas Públicas Gestão Educacional e Tecnologias da Comunicação Carga Horária: 30 Créditos: 2 Ementa: Estudo dos diversos paradigmas científicos, concepções de método, analisando os pressupostos e implicações das distintas concepções sobre a realidade da educação escolar, bem como os diversos tipos de pesquisa e instrumentos de coleta de dados, a partir da avaliação da produção científica na área de Educação de Jovens Adultos, tanto do ponto de vista teórico-metodológico, bem como do ético. Bibliografia: BARBIER, René. A pesquisa-ação. Trad. Lucie Didio. Brasília: Plano Editora, 2002. BOGDAN, Robert; BIKLEN, Sari. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto/Portugal: Porto, 1994. GATTI Bernardete A. Estudos quantitativos em educação. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.30, n.1, p. 11-30, jan./abr. 2004. KUHN, Thomas S. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva, 1978. LAVILLE, Christian; DIONNE, Jean. A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Porto Alegre: ArtMed, 1999. MIRANDA, M. G.; RESENDE, A. C. A. Sobre a pesquisa-ação na educação e as armadilhas do praticismo. Rev. Bras. Educ. vol.11 no.33 Rio de Janeiro Sept./Dec. 2006. THIOLLENT, Michel J. M. Crítica metodológica: investigação social e enquete operária. 2a ed. São Paulo: Polis Ltda, 1980. __________. Metodologia da pesquisa-ação na instituição educativa. São Paulo: Cortez Editora, 1985. __________. Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez, 1998. TRIPP D. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3,p.443-466,set./dez.2005.
Carga Horária
30h
Crédito
02
Disciplina
PESQUISA ORIENTADA II (ÁREAS 1, 2 E 3)
Ementa
Nível: Mestrado Profissional Obrigatória: Sim Área(s) de Concentração: Educação, Trabalho e Meio Ambiente, Formação de Professores e Políticas Públicas, Gestão Educacional e Tecnologias da Comunicação Carga Horária: 30 Créditos: 2 Ementa: Desenvolvimento da Proposta de Trabalho a partir da relação direta entre professor/orientador e estudante/orientando, com a finalidade de amadurecer e ampliar perspectivas teóricas e metodológicas acerca do Trabalho de Conclusão de Curso. São explorados temas, problemáticas, conceitos e procedimentos metodológicos de investigação relacionados ao objeto de estudo, bem como os procedimentos para desenvolvimento de projetos e técnicas pedagógicas na área de Educação de Jovens e Adultos. Bibliografia: BARBIER, René. A pesquisa-ação. Trad. Lucie Didio. Brasília: Plano Editora, 2002. BOGDAN, Robert; BIKLEN, Sari. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto/Portugal: Porto, 1994. Página 16/33 - 23/05/2012 17:34:53 GATTI Bernardete A. Estudos quantitativos em educação. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.30, n.1, p. 11-30, jan./abr. 2004. KUHN, Thomas S. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva, 1978. LAVILLE, Christian; DIONNE, Jean. A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Porto Alegre: ArtMed, 1999. MIRANDA, M. G.; RESENDE, A. C. A. Sobre a pesquisa-ação na educação e as armadilhas do praticismo. Rev. Bras. Educ. vol.11 no.33 Rio de Janeiro Sept./Dec. 2006. THIOLLENT, Michel J. M. Crítica metodológica: investigação social e enquete operária. 2a ed. São Paulo: Polis Ltda, 1980. __________. Metodologia da pesquisa-ação na instituição educativa. São Paulo: Cortez Editora, 1985. __________. Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez, 1998. TRIPP D. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3,p.443-466,set./dez.2005.
Carga Horária
30h
Crédito
02
Disciplina
PESQUISA ORIENTADA III (ÁREAS 1, 2 E 3)
Ementa
Nível: Mestrado Profissional Obrigatória: Sim Área(s) de Concentração: Educação, Trabalho e Meio Ambiente, Formação de Professores e Políticas Públicas, Gestão Educacional e Tecnologias da Comunicação Carga Horária: 45 Créditos: 3 Ementa: Desenvolvimento da Proposta de Trabalho a partir da relação direta entre professor/orientador e estudante/orientando, com a finalidade de amadurecer e ampliar perspectivas teóricas e metodológicas acerca do Trabalho de Conclusão de Curso. São explorados temas, problemáticas, conceitos e procedimentos metodológicos de investigação relacionados ao objeto de estudo, bem como os procedimentos para desenvolvimento de projetos e técnicas pedagógicas na área de Educação de Jovens e Adultos. Bibliografia: BARBIER, René. A pesquisa-ação. Trad. Lucie Didio. Brasília: Plano Editora, 2002. BOGDAN, Robert; BIKLEN, Sari. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto/Portugal: Porto, 1994. GATTI Bernardete A. Estudos quantitativos em educação. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.30, n.1, p. 11-30, jan./abr. 2004. KUHN, Thomas S. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva, 1978. LAVILLE, Christian; DIONNE, Jean. A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Porto Alegre: ArtMed, 1999. MIRANDA, M. G.; RESENDE, A. C. A. Sobre a pesquisa-ação na educação e as armadilhas do praticismo. Rev. Bras. Educ. vol.11 no.33 Rio de Janeiro Sept./Dec. 2006. THIOLLENT, Michel J. M. Crítica metodológica: investigação social e enquete operária. 2a ed. São Paulo: Polis Ltda, 1980. __________. Metodologia da pesquisa-ação na instituição educativa. São Paulo: Cortez Editora, 1985. __________. Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez, 1998. TRIPP D. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3,p.443-466,set./dez.2005.
Carga Horária
30h
Crédito
02
Disciplina
PRÁTICA DOCENTE SUPERVISIONADA (ÁREAS 1, 2 E 3)
Ementa
Nível: Mestrado Profissional Obrigatória: Sim Área(s) de Concentração: Educação, Trabalho e Meio Ambiente, Formação de Professores e Políticas Públicas, Gestão Educacional e Tecnologias da Comunicação Carga Horária: 45 Créditos: 3 Ementa: Atividade curricular permanente será desenvolvida de forma articulada, com atividades ao longo de todo o curso, associadas ao trabalho desses professores em sala de aula. Para isso a aprendizagem deve ser orientada pelo princípio metodológico geral que pode ser traduzido por ação-reflexão-ação, apontando a resolução de situações-problema da Educação de Jovens e Adultos como uma das estratégias didáticas privilegiadas em estágios a serem feitos em escolas de educação básica. Para tanto existirá um projeto de estágio planejado e avaliado conjuntamente pelos professores do Mestrado Profissional em Educação de Jovens e Adultos e as escolas campos de estágio, com objetivos e tarefas claras em que as duas instituições assumam responsabilidades e se auxiliem mutuamente. Bibliografia: ANDRÉ, Marli D. A. Etnografia da prática escolar. São Paulo: Papirus, 1995. 1985. CHIZZOTTI, A. Pesquisa em ciências humanas e sociais. São Paulo: Cortez, 1991. CORTELLA, Mário Sérgio. A escola e o conhecimento: fundamentos epistemológicos e políticos. São Paulo: Cortez, 1999. FREITAS, Luiz Carlos. Crítica da organização do trabalho pedagógico e didática. São Paulo: Papirus, 1995. FUCK, Irene Terezinha. Alfabetização de adultos: relato de uma experiência construtivista. GEEMPA. Grupo de Pesquisa sobre Educação Metodologia de Pesquisa e Ação. Petrópolis: Vozes, 1993. GERALDI, C., FIORENTINI, D., PEREIRA, E. (orgs.). Cartografias do trabalho docente: professor(a)-pesquisador(a). 2. ed. São Paulo: Mercado de Letras, ALB, 2001. JOSSO, Marie-Christine. Experiências de vida e formação. Lisboa: EDUCA, 2002. LIBÂNEO, José Carlos. Pedagogia e pedagogos, para quê? São Paulo: Cortez, 1999. MINAYO, Maria Cecília de Souza (Org). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 1994. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO. Referencial curricular nacional para a educação infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998 (v. I,II e III). _________________. Parâmetros curriculares nacionais. Brasília: MEC/SEF, 1997 (v.1, 8,9 e 10). Página 15/33 - 23/05/2012 17:34:53 SONNEVILLE, Jacques Jules. O educador na contemporaneidade: formação e profissão. Revista da FAEEBA: Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 13, n. 22, p. 455-465, jul/dez, 2004. TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2002. THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez, 1994. ZABALA, Antonio. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed, 1998. ZABALZA, Miguel Angel. Diários de aula. Porto: Porto Editora, 1994.
Carga Horária
45h
Crédito
03

Núcleo Optativo

Disciplina
FUNDAMENTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DA CONCEPÇÃO FREIRIANA DE EDUCAÇÃO
Ementa
Nível: Mestrado Profissional Obrigatória: Não Carga Horária: 45 Créditos: 3 Ementa: Estudo da concepção freiriana de educação, tanto antes como depois do exílio, apreendendo seus fundamentos e princípios, os quais explicitam sua concepção de realidade, bem como de apreensão desta. Bibliografia: BEISIEGEL, Celso de Rui. Política e Educação Popular. A Teoria e a Prática de Paulo Freire no Brasil. São Paulo: Ática, 1989. BUBER, Martin. Eu e Tu. São Paulo: Cortez & Moraes, 1979. FREIRE, Paulo. Conscientização e alfabetização: uma nova visão do processo. Estudos Universitários – Revista de Cultura da Universidade do Recife. Número 4, 1963: _____________. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1967. _____________. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1970. _____________. Educação e mudança. São Paulo: Editora Paz e Terra, 1979. _____________. A importância do ato de ler em três artigos que se completam. São Paulo: Cortez Editora, 1982 _____________. A educação na cidade. São Paulo: Cortez Editora, 1991. _____________. Pedagogia da esperança. São Paulo: Editora Paz e Terra, 1992. _____________. Política e educação. São Paulo: Cortez Editora, 1993. _____________. Cartas a Cristina. São Paulo: Editora Paz e Terra, 1974. _____________. À sombra desta mangueira. São Paulo: Editora Olho d’Água, 1995. _____________. Pedagogia da autonomia. São Paulo: Editora Paz e Terra, 1997. _____________. Mudar é difícil, mas é possível (Palestra proferida no SESI de Pernambuco). Recife: CNI/SESI, 1997-b. _____________. Pedagogia da indignação. São Paulo: UNESP, 2000. _____________. Educação e atualidade brasileira. São Paulo: Cortez Editora, 2001. FREITAS, Ana Lúcia. Pedagogia da Conscientização: um legado de Paulo Freire à formação de professores. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2001. FROMM, Erich. Conceito Marxista de Homem. Rio de Janeiro: Zahar, 1983. ________ O Coração do Homem. Rio de Janeiro: Zahar, 1977. ________ O Medo da Liberdade. Rio de Janeiro: Zahar, 1983. ________ Ter ou Ser?. Rio de Janeiro: Zahar, 1982. Página 11/33 - 23/05/2012 17:34:53 GADOTTI, Moacir. Concepção Dialética da Educação: um estudo introdutório. São Paulo: Cortez, 2001. ________ Convite à Leitura de Paulo Freire. São Paulo: Scipione, 1991. JASPERS, Karl. Man in the Modern Age. London: Routledge & Kegan, 1959. ________ Razão e Anti-Razão em Nosso Tempo. Rio de Janeiro: Instituto Superior de Estudos Brasileiros, 1958. PAIVA, Vanilda. Paulo Freire e o Nacionalismo-Desenvolvimentista. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1980. POPPER, Karl. A Sociedade Democrática e seus Inimigos. Belo Horizonte: Itatiaia, 1959. RAMOS, Alberto Guerreiro. A Redução Sociológica. Rio de Janeiro: Instituto Superior de Estudos Brasileiros, 1958. 115 SAVIANI, Dermeval. História das Idéias Pedagógicas no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2008. TORRES, Carlos Alberto. A Práxis Educativa de Paulo Freire. São Paulo: Loyola, 1979. ________ Leitura Crítica de Paulo Freire. São Paulo: Loyola, 1981. ________ Pedagogia da Luta: da Pedagogia do Oprimido à Escola Pública Popular. Campinas: Papirus, 1997.
Carga Horária
45h
Crédito
03
Disciplina
MOVIMENTOS SOCIAIS E EDUCAÇÃO EM EJA
Ementa
Nível: Mestrado Profissional Obrigatória: Não Carga Horária:60 Créditos: 4 Ementa: Teorias e trajetória dos movimentos sociais no Brasil. A dimensão educativa dos movimentos sociais na formação da cidadania. Movimentos sociais e Educação de jovens e adultos. A contribuição dos movimentos na elaboração e na implementação de políticas sociais. O papel dos movimentos sociais na articulação educação não formal com o sistema formal de ensino. Tendências e perspectivas contemporâneas: Organizações não Governamentais, Redes e Terceiro Setor. Bibliografia: BAUMAN, Zygmunt. Globalização: As consequências Humanas. Rio de janeiro: Jorge Zahar Ed., 1999. CASTELLS, Manuel. O poder da identidade. São Paulo: Paz e Terra, 1999. FERNANDES, Bernardo Mançano. A formação do MST no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2000. GOHN, Maria da Glória. Teoria dos movimentos sociais: paradigmas clássicos e contemporâneos. São Paulo: Loyola, 1997. GOHN, Maria da Glória. Movimentos sociais e educação. São Paulo: Cortez, 1999. GOHN, Maria da Glória. Educação não-formal e cultura política. São Paulo: 1999. GOHN, Maria da Glória. Os sem-terra, ONGs e cidadania. São Paulo: Cortez, 2000. FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987. GOMES, A. I. Pérez. A cultura escolar na sociedade neoliberal. Porto Alegre: Artes Médicas, 2001. HAESBAERT, Rogério. (Org). Globalização e Fragmentação do Mundo Contemporâneo. Niterói - RJ: EDUFF, 1998. IANNI, Otávio. Teorias da Globalização. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1998. MARTINS, Jose de Souza. A sociedade vista do abismo: Novos estudos sobre exclusão, pobreza e classes sociais. Petrópolis: Vozes, 2002. SCHERER-WARREN, Ilse. Redes de Movimentos Sociais. Rio de Janeiro: Loyola, 1996. SHERER-Warren, Ilse. Cidadania sem fronteiras: ações coletivas na era da globalização. São Paulo: Hucitec, 1999.
Carga Horária
60h
Crédito
04
Disciplina
FUNDAMENTOS ANTROPOLÓGICOS E RELAÇÕES RACIAIS NA EDUCAÇÃO
Ementa
Nível: Mestrado Profissional Obrigatória: Não Carga Horária: 60 Créditos: 4 Ementa: O saber antropológico. Perspectivas teóricas, práticas etnográficas e o método comparativo. A diversidade cultural: etnocentrismo e relativização. A centralidade do conceito de cultura. Educação como mecanismo de reprodução cultural. As relações raciais no Brasil: assimetria e diversidade no universo das relações raciais. A etnografia do universo educacional. Construção da sociedade brasileira e as possibilidades de uma educação para a diversidade. Bibliografia: BHABHA, Homi. O Local da Cultura. Coleção Humanitas. Ed. UFMG, Belo Horizonte, 1996. Página 10/33 - 23/05/2012 17:34:53 BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC). Parâmetros curriculares nacionais. Brasília, MEC. 1998. BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC). Orientações e ações para a educação das relações étnico-raciais. Brasília, MEC/SECAD, 2006. CANDAU, Vera Maria Ferrão. Sociedade, Cotidiano Escolar e Cultura(s): Uma Aproximação. Educação & Sociedade, ano XXIII, no 79, Agosto/2002 DAYRELL, Juarez (org.). Múltiplos Olhares sobre Educação e Cultura. Belo Horizonte, Ed. UFMG, 1996. GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Guanabara, 1989. LARAIA, Roque de Barros. Cultura: um conceito antropológico. Rio de Janeiro, Zahar, 1996. LAPLANTINE, François. Aprender Antropologia. São Paulo, Brasiliense, 1988. MALINOWSKI, Bronislaw. Argonautas do Pacífico Ocidental. São Paulo: Abril Cultural (Col. Os Pensadores), 1978. MUNANGA, Kabengele. Rediscutindo a Mestiçagem no Brasil. Petrópolis, Vozes, 1999. ROCHA, Everardo P. G. O que é etnocentrismo. Col. Primeiros Passos. SP. Ed. Brasiliense,1994. SILVA, Tomaz Tadeu da (org.). Identidade e diferença. Petrópolis: Vozes, 2000. THOMPSON, John B. Ideologia e Cultura Moderna: Teoria social crítica na era dos meios de comunicação de massa. Ed. Vozes, Petrópolis, 1992. TODOROV, Tzvetan. A conquista da América: a questão do outro. São Paulo, Martins Fontes, 1993.
Carga Horária
60h
Crédito
04
Disciplina
INCLUSÃO DIGITAL E EJA
Ementa
Nível: Mestrado Profissional Obrigatória: Não Carga Horária: 45 Créditos: 3 Ementa: Cibercultura e Redes Sociais: tendências e debates. Políticas Públicas de Inclusão Sociodigital. Inclusão Digital e Acessibilidade.. Tecnologias Digitais e Aprendizagem na EJA. A Formação docente da EJA em cursos a distância. Bibliografia: APPLE, Michael W. Educando à Direita. Mercados. Padrões. Deus e Desigualdade. São Paulo: Cortez: Instituto Paulo Freire, 2003. ASSMANN, Hugo. A metamorfose do aprender na sociedade da informação. In: Ci. Inf., Brasília, v. 29, n. 2, p. 7-15, maio/ago. 2000. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ci/v29n2/a02v29n2.pdf . Acesso em: 12/01/2010. BONETI, Lindomar Wessler. Políticas Públicas por Dentro. Ijui: Edityora UNIJUI, 2006. CASTELS, Manuel. A Galáxia da Internet: reflexões sobre a Internet, Negócios e a Sociedade. Rio de Janeiro: Editora Zahar, 2003.. CASTELLS, M. A Sociedade em Rede: a era da informação. Economia, Sociedade e Cultura. 2ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 1999. Vol. I FREIRE, P. A la sombra de este árbol .Barcelona : El Roure Editorial S. A. 1997 _________ Pedagogía del Oprimido Madrid : siglo veintiuno editores S. A, 1997 FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler. S. Paulo, Cortez, 1997 _________ Professora sim , tia não. Cartas a quem gosta de ensinar. S.P.: Olho d’àgua, P. 75-92, 1998. FREIRE, Paulo. Educação de adultos: algumas reflexões. In: Educação de jovens e adultos .Teoria, prática e proposta. S.Paulo: Cortez, 2000p. 15-17. GATTI, B.A. Formação de professores e carreira: problemas e movimentos de renovação. 2a. ed., Campinas, Autores Associados, 2000. HAMILTON, Edward e FEENBERG, Andrew. Os códigos técnicos do Ensino online. In: PARASKEVA, João M. e OLIVEIRA, Lia R. (orgs) Currículo e Tecnologia Educativa. Volume 2 Portugal: Edições Pedago, LDA, 2008, p.117-149. IRELAND, Timothy D.; MACHADO, Maria Margarida; IRELAND, Vera Esther J. da Costa. Os desafios da educação de jovens e adultos: vencer as barreiras da exclusão e da inclusão tutelada. In: KRUPPA, Sonia M. Portela (Org.). Economia solidária e educação de jovens e adultos. Brasília: Inep, 2005. LIMA, Presleyson Plínio de A importância da inclusão digital no processo de inserção social e educacional através da utilização do software livre. Contagem / MG: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, 2005. 58f. LEVY, Pierre. A Revolução contemporânea em Matéria de Comunicação. Revista FAMECOS: Porto Alegre, nº. 09. Dezembro 1998. LÉVY, Pierre. A conexão Planetária. O mercado, o ciberespaço e a consciência. São Paulo: Editora 34, 1997. Mota, José (6-2009). Da Web 2.0 ao e-Learning 2.0: Aprender na Rede. Dissertação de Mestrado, Versão Online, Universidade Aberta Disponível em: http://orfeu.org/weblearning20/3_2_3_comunidade_inquiricao MARSCHIN, C; TANIKADO, G e TSCHIEDEL, R. Educação a Distância: transformando circunstâncias em potências. In: SILVA, PESCE, ZUIN (orgs.) Educação online: cenário, formação e questões didático-metodológicas. Rio de Janeiro:WAK, Ed., 2010, p.73-94. MATOS OLIVEIRA, Maria Olivia. Políticas Públicas e EJA. In: DIAS Antonio e HETKCOVISK, Tania. Formação Docente. Salvador: EDUFBA, 2007.
Carga Horária
45h
Crédito
03
Disciplina
PROCESSOS DE AQUISIÇÃO DA MATEMÁTICA NA EJA
Ementa
Nível: Mestrado Profissional Obrigatória: Não Carga Horária: 45 Créditos: 3 Ementa: Disciplina que, através da análise e reflexão sobre fundamentos teóricos, favorece o reconhecimento da Educação Matemática na EJA como elemento para a formação da cidadania, a partir da perspectiva da Educação Matemática Crítica. Promove a reflexão sobre a cognição em Matemática como um fenômeno situado, que se dá através de comunidades de prática e, busca na Etnomatemática elementos teóricos e metodológicos para tal. Bibliografia: D’AMBRÓSIO, U. Literacy, Matheracy and Technoracy: a trivium for today. Mathematical Thinking and Learning. 1(2), 1999, p. 131-153. FERREIRA, M.K.L. Ideias matemáticas de povos culturalmente distintos. Página 13/33 - 23/05/2012 17:34:53 São Paulo: Global, 2002. FONSECA, M. C. Educação Matemática de Jovens e Adultos: especificidades, desafios e contribuições. Belo Horizonte: Autêntica, KNIJNIK, G. Educação Matemática, culturas e conhecimento na luta pela terra. 1. ed. Santa Cruz do Sul: Editora da Universidade de Santa Cruz do Sul -- EDUNISC, 2006. v. 1. LAVE, J.; WENGER, E. Situated learning: Legitimate peripheral participation. New York: Cambridge University Press, 1991. MATOS, J.F. Educação Matemática e Cidadania. Quadrante, v. 11, p. 1-6, 2002. MIGUEL, A.; VILELA, D. S. Práticas escolares de mobilização de cultura matemática. Cadernos do CEDES (UNICAMP), v. 28, p. 97-120, 2008. SKOVSMOSE, O. Educação Matemática Crítica: a questão da democracia. Campinas: Papirus, 2001. SOARES, L.; GIOVANETTI, M. A. G. de C.; GOMES, N. L. (Orgs.). Diálogos na educação de jovens e adultos – 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2006. WENGER, E. Comunidades de practica: aprendizaje, significado e identidad. Barcelona: Paidós, 2001.
Carga Horária
45h
Crédito
03
Disciplina
PESQUISA APLICADA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO
Ementa
Carga Horária
45h
Crédito
03

Atividade/ Trabalho De Conclusão De Curso

Disciplina
APRESENTAÇÃO EM SEMINÁRIOS, FÓRUNS.
Ementa
Carga Horária
30 a 45h
Crédito
03
Disciplina
TRABALHO ORIENTADO DE CONCLUSÃO DE CURSO
Ementa
Carga Horária
225h
Crédito
15