Breve Histórico do Teatro UNEB

Assessoria Especial de Cultura e Artes

Breve Histórico do Teatro UNEB

 

Contando já quase nove anos de história junto à comunidade baiana, o Teatro UNEB percorreu uma trajetória marcante no cenário artístico cultural, além do seu destaque acolhendo inúmeros eventos da própria comunidade acadêmica. Antes de ter este nome, no início da década de 90, era chamado de Sala Caetano Veloso e anos depois, deixou de ser sala para ser auditório, com o mesmo nome. Porém, em dezembro de 2009, este espaço foi inaugurado oficialmente durante a sessão de posse do então Reitor Lourisvaldo Valentim, ganhando uma nova roupagem, por meio de uma estrutura de casa de espetáculos, com a capacidade para 469 lugares, som e acústica, palco, iluminação cênica básica, camarim e recursos de acessibilidade.

Com o reconhecimento deste espaço interna e externamente, surgiu então a necessidade de se desenvolver uma ferramenta que organizasse e gerisse o principal produto do Teatro UNEB: as pautas. Assim, durante sua trajetória, em dezembro de 2011 foi realizada a primeira discussão a respeito de se construir um sistema que atendesse às demandas de agendamento e reserva de espaço para eventos, através de uma reunião entre a Unidade de Desenvolvimento Organizacional (UDO), Gerência de Informática (GERINF) e o Cerimonial.

O Sistema de Agendamento de Eventos (SAEV), que gere as marcações para a grade de eventos do Teatro foi aplicado em 2013, trazendo uma inovação: a implantação do Formulário online e visando reduzir falhas, agilizar a análise de solicitação de pautas, impedir erros de “choque” de horário de eventos e promover o aumento da credibilidade institucional na divulgação dos eventos. Desde 2016, este Sistema vem passando por alterações significativas, que faz dela uma ferramenta de gestão fundamental para este espaço; revolucionando o atendimento, trazendo transparência e democratizando o acesso de todos a este equipamento teatral.

Além dos eventos acadêmicos, tanto de Salvador como também dos campi do interior, já foi palco de diversos espetáculos para renomados artistas de notoriedade nacional e local, a exemplo de Jorge Mautner e o Maracatu Estrela de Ouro (Pernambuco), o ator e cantor Daniel Boaventura, o humorista baiano Renato Piaba, a Orquestra infanto juvenil Neojibá, a exibição de filmes como “Cuica de Santo Amaro” e “Feminino Cangaço” e peças infantis inclusive de companhias de outros estados, como “O Leão e o Ratinho” (São Paulo), entre outros.

Neste cenário, diante da dificuldade de se encontrar espaços para eventos na cidade soteropolitana, o Teatro UNEB ocupa uma importância de destaque junto aos demais espaços de cultura, a exemplo do Teatro ISBA, Módulo, Jorge Amado e o recém criado Teatro da Cidade; realizando em média mais de 100 (cem) eventos por ano.

Contando, no início, com um quadro de pessoal reduzido do corpo técnico, que não acompanhou de pronto o seu crescimento e composto basicamente de servidores efetivos da UNEB, o Teatro estava dividido em setores administrativo e técnico; sendo que o primeiro era assumido pela responsável pelo Cerimonial da UNEB e o outro pelo mesmo funcionário, há anos; o mesmo que assume a coordenação técnica até hoje.

Através de um pedido da Coordenação Técnica e do próprio Reitor – Prof. José Bites de Carvalho, a Assessoria Especial de Cultura e Artes (ASCULT) assumiu a parte Administrativa do Teatro UNEB, através da Portaria nº 2.097/2016, publicada no DOE de 30/07/16. A partir deste momento, essa Assessoria vem administrando com vistas a requalificá-lo para que continue sendo uma alternativa cultural, sobretudo para a comunidade do entorno.

Assim, para adequar o Regimento Interno vigente desde 2012 às novas exigências da comunidade interna e externa que dele se utiliza, a ASCULT propôs uma alteração que foi aprovada por unanimidade pelo Conselho Superior (CONSU) – Resolução nº 1.321/2018, DOE de 03/05/18; além da reformulação e atualizações periódicas do Contrato de Cessão de Pauta, como documento basilar para a cessão do espaço.

Atualmente, está divido em 03 (três) coordenações: geral, administrativa e técnica. Com uma equipe composta de 08 (oito) técnicos, sendo: 07 (sete) servidores efetivos e 01 (um) terceirizado. Desde então, muitas proposições estão sendo realizadas para dinamização e melhoria deste espaço cultural para que ele continue levando conhecimento, cultura e artes a aqueles que a ele procuram.